Tuesday, June 24, 2014

Treine o poder mental



O trabalho de reeducação da mente é algo possível com todas as pessoas, em qualquer que seja a área de atuação e o Método DeRose visa o desenvolvimento integral do indivíduo à alta performance, logo esse aspeto é altamente tido em conta. Com os golfistas profissionais ou amadores, o trabalho é todo ele desenvolvido com disciplina, investindo tanto tempo na mente como no seu treino físico e de aperfeiçoamento do swing. Desta forma, devemos fortalecer a nossa mente tal e qual um músculo através de:
  • mentalização : para criar objetivos bem definidos (nítidos como se fossem reais);
  • concentração: treinamo-la para aprender a pensar numa só coisa (usando cada vez menos o lado cognitivo) e com isso libertar o aspeto criativo e intuitivo do feeling e da sensibilidade;
  • meditação: supressão da instabilidade da mente. O uso da intuição.

É fundamental a mente serena e livre de emoções como o medo, a frustração ou a euforia (excesso de confiança). A sua concentração e força deverão estar sempre no máximo das suas capacidades, juntamente com  a capacidade de as manter em jogo integralmente, sem se envolver pela frustração de um mau shot ou pela exuberância de um momento mágico de golfe. Pense uma tacada de cada vez!

O golfe é um jogo que inspira prazer e descontração. Estamos rodeados de verde, ar puro, do sentido de liberdade e sempre rodeados de outros jogadores que sentem o mesmo sentido de diversão sempre que pegam num taco. Divirta-se e deixe-se envolver por essa emoção de prazer. É certo que qualquer tipo de emoção , negativa ou positiva interferirão na atuação da mente, mas faça-se envolver mais pelas positivas que trarão um resultado mais próximo à descontração muscular que necessita para manter a consistência do seu swing.

Veja só um dos erros comuns dos amadores: Já se imaginou contratar um professor ou ter mesmo um amigo que passa a maioria do tempo a criticá-lo e a julgar sempre que algo de mau lhe acontece? Pois bem, é isso que acontece com a sua mente na maioria das vezes quando está a jogar “sozinho”.

Fazer isso, é criar e reforçar o arquétipo mental de um derrotado e frustrado jogador de golfe. As técnicas do Método DeRose treinam-nos exatamente para que isso não seja um dos obstáculos. Não alimente a sua mente com pensamentos negativos do jogo, pois ela tenderá a replicá-los vez após vez e mais intensamente quanto mais pensar nisso.

Aprenda a esquecer imediatamente. “Mude de canal" e ponha em prática a teoria dos opostos que nos diz que no confronto de uma emoção negativa, para a ultrapassar, devemos pensar na sua oposta. Assim, qual o contrário de frustração? Confiança. E o oposto de raiva? Alegria. 

Gere intencionalmente imagens mentais (mentalização ou imaginação) positivas que vão transformar o seu jogo para melhor e simultaneamente concentre-se e mantenha a cabeça livre de pensamentos negativos. O golfe é um jogo de confiança!

Ponha em prática o exemplo seguinte de um dos vários exercícios que pode executar: 

Todos os dias, antes de se deitar, sente-se numa posição confortável e feche os olhos. Escolha um local seco, sossegado e agradável. Durante os primeiros 10 minutos pense em tudo o que de positivo aconteceu desde que se levantou, deixe que um ligeiro sorriso seja esboçado no seu semblante e tenha atenção para descontrair a testa… nos 10 minutos seguintes não pense em nada, deixe-se envolver pela sensação do vazio e pelo prazer da leveza de não pensar

Para funcionar tem de aplicar o princípio de treino de qualquer atleta vencedor: disciplina e constância diária. 


Aplique o treino mental em conjunto com o físico. Ambos são indissociáveis … seria como querer colocar um motor de um F1 num chassi de um carro de turismo ou o contrário conforme o caso.


Sunday, December 1, 2013

18 dicas para melhorar a sua alimentação

 

Alimentacao metododerose antas
 
  1. Não misture sal com açúcar na mesma refeição. Portanto, nada de sobremesas.
  2. De preferência, não use nem o sal nem o açúcar. Procure reduzir esses dois impostores. A redução drástica do sal ajuda muito o aumento de flexibilidade. O sal também torna a pessoa menos sensível, cortando as percepções sutis.
  3. Não misture alho com cebola, nem em pratos diferentes, na mesma refeição.
  4. Não misture frutas ácidas com frutas doces.
  5. Não tome líquidos às refeições. Só meia hora antes ou meia hora depois. (Quando convidados a comer, os índios guaranis da Argentina, costumam responder: “Obrigado. Já bebi.”) Longe das refeições, beber muita água mineral.
  6. Faça rodízio das marcas de água mineral.
  7. Use água mineral até para chás e para cozinhar os alimentos.
  8. Não jogue fora a água que sobrar da cozedura de legumes. Ela é rica em sais minerais e pode ser usada para cozinhar outra coisa como, por exemplo, o arroz. Além da vantagem nutricional, o outro prato fica mais saboroso.
  9. Restrinja o uso de maioneses, ovos, natas, manteiga e gorduras de origem animal e outras que fiquem em estado sólido sob temperatura ambiente.
  10. Em algumas receitas, as natas podem ser substituído por yoghurt; noutras, por pasta de gergelim (tahine).
  11. Reduza os laticínios ao mínimo possível.
  12. A manteiga, quase sempre, pode ser substituída por azeite de oliva extra-virgem, extração mecânica, a frio.
  13. O estado do seu prato pode indicar o grau de limpeza ou sujeira que a comida produziu no seu organismo. Se o prato estiver tão limpo que não precise ser lavado, seu corpo também o estará. Se o seu prato precisar de detergente e água quente para ficar limpo, imagine o estado dos seus órgãos internos após digeri-la.
  14. Adote especiarias, pois além de realçar o sabor ajudam a digestão, auxiliam a processar gorduras, beneficiam o fígado, vesícula, intestinos, dão vitalidade, aumentam a energia sexual e tonificam todo o organismo. São elas: gengibre, cravo, canela, orégano, cominho, tomilho, açafrão, coentro, caril, noz moscada, cardamomo, manjerona, manjericão, salsa e cebolinha, alho ou cebola e mais umas quarenta variedades que se encontram com relativa facilidade nos supermercados.
  15. Adote fibras, alimentos integrais, levedura de cerveja, ginseng, alho. Cuidado para não brindar seus amigos com o bafo de alho. A melhor coisa é engolir cápsulas de óleo de alho ou dentes inteiros de alho à noite, antes de dormir. Assim, pela manhã você já processou e eliminou uma boa parte do “odor-afugenta-parceiro”. Aí, escove os dentes, tome um banho, coma alguma coisa e, para garantir, saia de casa mascando cravo!
  16. Elimine urgentemente as panelas de alumínio. Adote as de vidro, ferro, aço, ágata, barro, pedra, etc. Evite as películas anti-aderentes: há uma séria suspeita de que sejam cancerígenas.
  17. Olhe e veja o alimento. Não o ingira lendo ou distraindo-se com outra coisa. Você vai notar que o alimento passará a dar mais prazer e satisfará mais com menos quantidade.
  18. A monodieta é curativa e faz perder peso. Consiste em comer uma coisa só. Alimentos compostos, é claro, estão fora deste conceito. Pizza, por exemplo, não é uma coisa só, pois leva uma quantidade de ingredientes. Monodieta é alimentar-se durante um dia ou alguns dias só com papaia, só com banana, só com manga, só com batata, só com arroz, etc. Não vale regar com azeite ou manteiga. Tampouco colocar pimenta e outros artifícios. É mono mesmo. Mas cuidado para não exagerar, pois é inquestionável que a monodieta deixa o corpo carente de nutrientes. É para fazer por um período curto e depois parar.
Nossa recomendação é sempre evitar o fanatismo. Mas onde fica a fronteira entre o fanatismo e a seriedade? Para dedicar-nos a alguma coisa com seriedade é preciso um coeficiente de determinação que os não-comprometidos com o mesmo ideal geralmente tacham de fanatismo. Só o bom senso de cada um poderá julgar.

Wednesday, October 9, 2013

Ricardo Santos no Masters de Portugal

A jogar em casa, o golfista português Ricardo Santos disse que vai fazer o possível para conseguir mais um "top 10" na VII edição do Portugal Masters, que classificou como "a melhor semana da época". "Tudo é possível. Gostaria imenso de fazer um top 10, mas, obviamente, não vou pensar nisso, nem estar a pressionar-me nesse sentido. Quero desfrutar o momento e desfrutar cada dia, cada pancada. Para mim, é a melhor semana da época", acentuou o golfista algarvio, a propósito da VII edição do maior torneio de golfe português.

Ricardo Santos, que habita "a dois minutos" do Oceânico Victoria de Vilamoura, o seu "home club", prometeu "dar o máximo para obter o melhor resultado possível", embora reconheça que o golfe tem "coisas que não se controlam". O golfista de Vilamoura admitiu existir uma "pressão acrescida" por "jogar em casa", o que pode ser positivo, se as coisas estiverem a correr bem, mas também "pode prejudicar", quando se entra mal no jogo. "Quando as coisas correm menos bem, o jogador sente-se mais pressionado. É uma coisa que temos de controlar e saber lidar com ela", sustentou o melhor jogador de todos os tempos, cuja mulher trabalha no próprio Oceânico Victoria de Vilamoura. Santos admitiu que gostaria de seguir as pisadas de Rui Costa, no ciclismo, ou de João Sousa, no ténis, e dar "um impulso" ao golfe nacional, mas recusou-se a colocar a fasquia tão alta, até porque "o futuro a Deus pertence". O "objetivo principal" já foi atingido, que era manter o cartão para continuar na primeira divisão do golfe europeu, o "European Tour". O outro é ficar classificado entre os 60 melhores golfistas da Europa para poder disputar, em novembro, o World Tour Championship do Dubai, o torneio que marca o encerramento da temporada e distribui prémios recorde de oito milhões de dólares (5,9 milhões de euros). Contudo, uma vitória no Masters do Algarve "daria um impulso enorme ao golfe português, porque o que falta é, realmente, um ídolo, uma referência para os jovens, para se perceber que o golfe não é elitista e que não é só torneios cor-de-rosa".

Na entrevista à Lusa, o melhor golfista português de sempre afiançou que os seus companheiros do Tour "estão ansiosos por vir jogar a Portugal". "(O Victoria) é um campo que não parte muito a cabeça aos jogadores, tem muitas oportunidades de birdie, tem buracos competitivos e é um campo agradável para jogar. Tem uma atmosfera bastante boa, além do clima, da gastronomia e da envolvente. Para mim, é sem dúvida a melhor semana da época", frisou. Ricardo Santos classifica o Portugal Masters como "um grande evento", para mais no seu clube, com a sua família e os seus amigos a apoiarem. "Acho que vou ter muitos portugueses a apoiarem-me e isso é muito bom para mim", concluiu o golfista português mais bem cotado da atualidade.   Lusa

Thursday, September 26, 2013

Swing tempo

YOUR TEMPO MAKES CHARLES BARKLEY LOOK LIKE ERNIE ELS
"For better tempo, soften your grip pressure," says Top 100 Teacher and Golf Channel guy Michael Breed. "Imagine you're in your car holding a lidless cup of coffee. To accelerate to 60 mph without spilling the coffee, you'd hold the cup gently and accelerate gradually. This is the combination you want in your swing."

Wednesday, September 25, 2013

Special lag-putt technique to roll the ball closer

Dave Pelz

Angus Murray

A taller, more open address improves your depth perception and distance control so you can roll long putts this close.

Three-putting. Ugh! It’s an absolute waste of strokes, and so discouraging that it can ruin not only your scores, but also your attitude. (Ever meet a happy three-putter?) While three-putting is nearly impossible to avoid completely, especially on today’s faster greens, most amateurs do it far more often than they should. With the help of the PGA Tour’s ShotLink tracking system, the Pelz Golf Institute has found that weekend players drop a stroke by three-putting up to six times as often as professionals do (see table, below).

Even scratch amateurs three-putt more than once every 10 holes and, as you can guess, the frequency of three-putting increases with handicap. Hmmm... wonder if there’s a relationship there? If you’re a 30-handicapper, you’re literally throwing away three or four strokes every round you play.

It’s interesting to compare your three-putt percentage to that of the best players in the world. The difference is crazy! ShotLink data from this season (through the Canadian Open) tells us that PGA Tour pros three-putt an average of 2.4 times—per event! And so far this year there have been eight tournament winners who didn’t three-putt once en route to victory.

If pros can avoid three-putting, so can you, because you don’t need a ton of athletic ability to get down in two. Avoiding three-putting doesn’t even require a ton of practice. You just have to get your first putts to stop a little closer to the hole than they have in the past.

My advice is to change your approach on long lags, which amateurs typically leave too short, for an easy two-putt. Try the following two changes:

1 Stand closer to the ball and with an open stance. This allows you to look out at the putt with binocular vision, which helps with depth perception. Looking at the putt like this also frees up your motion to provide more power to the ball.

2 Putt with a chipping stroke, not a putting stroke. 
 Add a little wrist hinge both back and through. Again, this will help you avoid hitting the ball too softly and coming up short.

Next time you play, give these two lag-putt keys a try. They’ll help you drastically reduce the number of times you three-putt during a round. Strokes are precious, and avoiding three-putting is an easy way to save them. 

Saturday, September 7, 2013

The Right amount of Thoughts

NewImage

 

The average person has more than 2,000 thoughts per day. Champions have half that. They focus on what they want, not their fears. I may not have you hitting it like Luke Donald in two days, but I'll have you thinking like him -- like a world class player.